25 de novembro de 2014

Crown, O Magnifico (1968)






TRILHA ORIGINAL (OSCAR) 
video
The windmills of your mind - Noel Harrison (Michel Legrand)




Crown, o Magnífico (The Thomas Crown Affair, 1968)

Esta versão original de “The Thomas Crown Affair” que em Portugal estreou com o título de “O Grande Mestre do Crime”, converteu-se, com o tempo, em objeto de culto. Para isso contribuíram diversos fatores. Em primeiro lugar os brilhantes diálogos de um argumento bem urdido, da autoria de Alan Trustman, que sustentavam uma história de um assalto cujo móbil principal não era o dinheiro mas sim o puro prazer pessoal de quem o concebera: «it’s about me, me and the systhem», confessa o grande mestre do crime, um Steve McQueen metido na personagem inesperada de um galã romântico, mas sem nunca perder o lado cool que o tinha imortalizado nos filmes precedentes. 

Steve McQueen e Faye Dunaway

Faye Dunaway, outra das grandes atrações do filme, desempenha o papel de Vicki Anderson, uma investigadora independente, determinada a recuperar o dinheiro roubado para a seguradora, e que para tal inicia um jogo do gato e do rato com a sua presa. Eva Marie Saint foi a atriz inicialmente escolhida mas Dunaway estava no topo da fama por causa do seu recente e lendário desempenho em “Bonnie And Clyde” e não teve qualquer problema em se apropriar do papel.

Depois há a banda sonora, celeberrima. Parece que o compositor, Michel Legrand, depois de ver a versão original do filme (que durava qualquer coisa como cinco horas), tirou seis semanas de férias, durante as quais escreveu 90 minutos de música. Posteriormente a montagem final do filme foi feita com base nessa hora e meia de fundo musical, um processo inverso ao que habitualmente acontece em cinema. A canção-tema, “The Windmills of Your Mind”, viria a ganhar o Oscar e o Globo de Ouro, mas, mais importante do que isso, teria ao longo dos anos muitas dezenas de versões em todo o mundo que a tornariam imortal.

Steve McQueen

Os carros usados no filme também contribuíram para o seu sucesso. Quer o Ferrari 275 GTS Spyder Nart, conduzido por Dunaway , modelo que McQueen viria a adquirir para a sua coleção privada, quer sobretudo o beach-buggie usado nas cenas rodadas na praia e que na altura despoletou uma autêntica moda. Mas “The Thomas Crown Affair” ficaria sobretudo celebrizado como o filme do jogo de xadrez – uma sequência sem qualquer diálogo mas repleta de explícitas conotações eróticas, que provocou frissons na espinha dos espectadores e que por certo contribuiu na altura para um aumento significativo da popularidade do jogo, até então considerado essencialmente cerebral,

Para além da evidente química ente McQueen e Dunaway, o filme soma pontos também na estilizada cinematografia de Haskell Wexler, que lhe confere uma certa elegância e bom gosto, e na direção segura de Norman Jewison, que não hesita em socorrer-se da técnica do “écran repartido” (uma moda naquele final dos anos sessenta) para ilustrar algumas das sequências, nomeadamente o assalto ao banco, logo na abertura do filme.

Faye Dunaway

“The Thomas Crown Affair”, para além de ser um thriller conotado com o sub-género de “assaltos a bancos”, deve muito da popularidade ao seu lado romântico. Filmes como “How To Steal a Million”, de William Wyler (com Peter O’Toole e Audrey Hepburn) ou “Gambit”, de Ronald Neame (com Michael Caine e Shirley MacLaine), ambos realizados dois anos antes, tinham descoberto o filão. “The Thomas Crown Affair” retoma a receita mas vai um pouco mais longe ao fazer do seu herói uma espécie de ícone para os estudantes liberais das universidades daquela época: um self-made man que, mau grado pertencer também ao mundo capitalista dos negócios, se entretém a desafiar os todos poderosos senhores da banca apenas para dar algum colorido ao fastio dos seus dias.

Steve McQueen e Faye Dunaway  

Trinta anos depois, o realizador de “Die Hard”, John McTiernan, faria uma nova versão de “The Thomas Crown Affair”, com Pierce Brosnan e Rene Russo nos principais protagonistas. Curiosamente os dois filmes têm bastantes pontos em comum. O assalto ao banco é substituído pelo roubo de um valioso quadro de Monet do Metropolitan Museum e o jogo de xadrez por uma dança de conotações rituais e também adornada de uma carga libidinosa forte (sem ter contudo a original e deliciosa sensualidade da outra), mas o espírito do primeiro filme mantém-se em certa medida. Faye Dunaway tem direito a uma pequena homenagem ao desempenhar o papel de uma psiquiatra e até “The Windmills of Your Mind” se faz de novo ouvir no meio da banda sonora assinada por Bill Conti. Colocando mais ênfase na faceta romântica (por vezes exagerada através de alguma histeria de Russo em certas cenas a roçar o soft-porno) e também na insegurança psicológica do herói (algo que dificilmente colaria à figura máscula de McQueen no primeiro filme), esta nova versão fica contudo bastante aquém deste original, mesmo continuando a constituir um razoável entretenimento.
CRÉDITO DO TEXTO: ORatoCinefilo




CARTAZES DO FILME
CRÉDITOS




Crown, o Magnífico (The Thomas Crown Affair, 1968)

SINOPSE
Todo crime tem uma personalidade, algo da mente que o planejou, afimra Vicky Anderson, uma elegante investigadora de seguros disposta a solucionar um roubo a banco que surpreendeu até as mais aguçadas mentes de Boston. Brilhantemente criado pelo diretor indicado ao Oscar por Feitiço da Lua, estrelado por Steve McQueen e por Faye Dunaway, este suspense bem elaborado e realizado com profissionalismo possui a personalidade fascinante do intrigante crime que retrata. O ricaço Thomas Crown é um lobo solitário vestido com roupas finas; um homem que elabora um ousado golpe a um banco só pela emoção da empreita. Mas ele encontra alguém à sua altura quando Vicky Anderson assume o caso. Jogando um perigoso jogo de sedução, ela tenta agarrar seu homen provocando-o com a única coisa que ele não pode possuir: ela!




ELENCO E FICHA TÉCNICA 
Elenco: Steve McQueen, Faye Dunaway, 
Jack Weston, Yaphet Kotto, Paul Burke
Gênero: Crime, Romance
Direção: Norman Jewison
Roteiro: Alan Trustman
Produção: Norman Jewison
Fotografia: Haskell Wexler
Trilha Sonora: Michel Legrand
Origem e Ano: EUA - 1968


PRÊMIOS
 Oscar: Canção original (“The Windmills of Your Mind”).
Indicação ao Oscar: Trilha sonora.
Globo de Ouro: Canção original (“The Windmills of Your Mind”).
 Indicação ao Globo de Ouro: Trilha Sonora.



CURIOSIDADES
O uso de telas divididas para mostrar ações simultâneas foi inspirado no filme avanço no Labirinto .

O filme também apresenta o famosa cena do jogo de xadrez. O diretor Norman Jewison brinda os amantes do cinema com cenas sensuais e até fortes, como a insinuação sexual enquanto Vickie e Crow jogam xadrez.

A fotografia é incomum para um filme de Hollywood main-stream, usando um modo de tela dividida de uma forma muito elegante. 

McQueen faz o seu próprio dublê (joga polo) e dirige um buggy em alta velocidade no litoral de Massachusetts. Isto é semelhante ao seu papel de protagonista no filme Bullitt , lançado alguns meses depois, em que ele dirige um Mustang em San Francisco a mais de 100 mph.

Sean Connery foi a escolha original para o papel título, mas recusou-a decisão que mais tarde se arrependeu.


- “The Windmills of Your Mind” é interpretada por Noel Harrison, filho do actor britânico Rex Harrison

- Steve McQueen considerava a personagem Thomas Crown o seu melhor desempenho no cinema

- A cena do beijo, que dura um longo minuto, levou oito horas a ser filmada, repartida por vários dias

- Em Outubro de 2010 a marca italiana Persol re-lançou o modelo de óculos escuros (“714”) usado por McQueen neste filme como parte da Steve McQueen Collection.



Nenhum comentário:

Postar um comentário